Gasolina: Comum, Aditivada ou Premium?

As vendas de combustíveis no mercado brasileiro em 2017 totalizaram 136,025 bilhões de litros, o que representa um aumento de 0,4% em relação aos 135,436 bilhões de litros de 2016.
Os dados foram publicados em uma matéria de 3/18 da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. O combustível é algo muito presente em nosso dia a dia, precisamos dele para ir e vir com nossos veículos, mas cada combustível apresenta diferentes fórmulas, preços e desempenho.
Você sabe quais as diferenças?

A produção de gasolina:

Segundo a Revista Galileu, tudo começa por meio do aquecimento do petróleo na refinaria em um processo chamado destilação atmosférica. A técnica consiste em fazer o petróleo virar vapor e depois resfriá-lo.
A substância com maior ponto de ebulição fica líquida primeiro, e placas de diferentes alturas recolhem os produtos separadamente, o mais famoso deles é a gasolina.
Mas nenhum veículo é abastecido com esse líquido que sai da refinaria, o produto final pode demandar processos simples ou sofisticados.

Quais os tipos de combustíveis? 

– Gasolina comum: a gasolina comum é a mais “básica” vendida, já que não recebe nenhum aditivo de limpeza, apenas adição de etanol anidro, conforme exigido pela legislação.
Um dos principais problemas da gasolina comum, é que ela acaba acumulando resíduos de combustão que ficam sobre as válvulas de admissão do motor, o que faz com que ao longo do tempo, as misturas de ar e combustível sejam comprometidas, causando danos como o aumento de consumo.

– Gasolina aditivada: possui a mesma octanagem da comum, mas a diferença para a comum está em seu trabalho no motor, essa gasolina recebe um pacote de aditivos detergentes, que mantêm limpo o sistema de alimentação de combustível do veículo, como: bicos injetores, válvulas e câmara. Os dispersantes removem as sujeiras e ajudam a desprender todo o resíduo acumulado, além do “redutor de atrito” que cria uma camada nas paredes dos cilindros e nos anéis de segmento, reduzindo o atrito entre essas superfícies, auxiliando na redução de consumo de combustível e na melhoria do desempenho do motor.
Lembrando que a aditivada pode abastecer qualquer veículo movido a gasolina, especialmente os com injeção eletrônica, e para se diferenciar da comum, normalmente recebem um corante e ficam no tom esverdeado.

– Gasolina premium: o valor da octanagem dessa gasolina é superior a das gasolinas comuns e aditivadas, com o mínimo de 91 de índice antidetonante, bem alto em relação as outras que costumam ser de 87.
Sua coloração é levemente amarelada e pode ser utilizada em qualquer veículo movido a gasolina, quanto maior o nível de octanas, menores as taxas de compressão e maior eficiência do motor.
A Petrobras por exemplo, ainda trabalha com a “Podium”, que tem a maior octanagem do mercado (97 típica/95 mín), sendo recomendada para veículos de alta performance, com sistemas de gerenciamento eletrônico e injeção avançados.

Qual escolher? 

Depende de onde mais utiliza o veículo, por exemplo, se em grande parte do tempo é apenas na cidade, a aditivada é uma ótima escolha, já que seus aditivos minimizam a ocorrência de problemas e conserva o motor. Para quem costuma viajar muito, a gasolina comum pode ser uma boa escolha, já que o combustível fica no tanque menos tempo.

Os veículos com taxa de compressão maiores, como os esportivos, devem usar a gasolina premium levando em conta a octanagem, como foi dito anteriormente, isso não aumenta sua potência mas garante um funcionamento melhor do motor.
Essas são as principais características dos combustíveis disponíveis e mais utilizados. Qual se adapta melhor ao seu veículo?

Comente Aqui!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *